Gestante


O mito da barriga


gravidez

Sempre se escuta que estar gravida é lindo. Assim como, certeza, que você escutou que é ruim e desconfortável. O ponto crucial é: como achar um equilíbrio entre o total incomodo da gestação com o glamour e felicidade da gravidez? Nós sabemos que nem tudo é 8 ou 80. Alias, começa aí, a nossa primeira lição: a grande dualidade de ser pais. É incomodo e alegria ao mesmo tempo. É desespero e amor incondicional. É ódio e vontade de abraçar. É desilusão e orgulho. É se sentir perdida e precisar guiar. Depois que temos filhos vivemos constantemente em um duelo de sentimentos.

Conversando descobrimos que nós duas tínhamos uma visão muito linda da gravidez. Nos imaginávamos grávidas, radiantes, tocando nossa vida e dia a dia como se nada estivesse acontecendo. Com nossas barrigas na medida ideal (nem grande nem pequena!) enquanto todos falavam “incrível como ela ficou bem grávida né?”. Mas, a realidade se mostrou bem diferente. As duas tivemos enjoos, dores no corpo e eventualmente no final até um repouso forçado.

checkPrimeiro trimestre: Enjoo. Você acorda e passa mal. Come e passa mal. Se mexe e passa mal. Parece que não vai passar nunca. Que virou a sua nova condição de vida.  Uma de nós até passou mal dentro do carro no próprio aniversário, imagina isso! Mas, ao mesmo tempo, tem toda a energia envolta da descoberta da gravidez. Você esta absorvendo a ideia, imaginando como vai ser, pensando em nomes, está contando aos poucos para todo mundo. E fala a verdade, parece que cada vez que você conta para alguém se acende uma luz mágica, doce e quente perto de você. O mundo muda!

checkSegundo trimestre: Sono. Você faz coisas que nunca imaginou. Dorme no farol fechado, dorme no meio da reunião, pensa seriamente em sentar na privada depois do almoço no trabalho e dar uma cochilada. Seu marido mal vê você. Alias, ele vê você dormindo. Esse trimestre também traz uma primeira desacelerada. Você começa a perceber que as coisas não podem ser como antes. Que você até pode ter a mesma vontade, ritmo e energia, mas seu corpo não. Ele não aguenta. Mas, o segundo semestre é tão mágico. Você descobriu se é menina ou menino. Já provavelmente tem um nome. Está comprando as primeiras roupas. Sua barriga está aparecendo, todos já percebem que você está gravida. O bebê começa a mexer.

check Terceiro trimestre:  Aí a coisa aperta de verdade. Até amarrar seu próprio sapato fica impossível. Achar uma posição para dormir nem se fala. O chute do bebe é literalmente um chute na costela ou na bexiga. Cada dia parece interminável. Mas tudo isso porque a ansiedade de ver quem vem por aí, de pegar no colo e de começar essa nova vida logo é tão grande que você nem se aguenta. O quarto está pronto, a mala está pronta, todos estão ansiosos e você nunca vai ser tão paparicada durante a sua vida. Tudo e todos te ajudam, são simpáticos e compreensivos com você.

E assim passam os 9 meses. Percebemos depois que não se trata nem dos incômodos, nem dos prazeres também. Nós precisamos dos 9 meses para nos acostumarmos a todas as mudanças que vamos enfrentar – e não estamos falando das físicas. Vamos com todos incômodos e prazeres nos preparando para começar algo completamente novo. Não é sobre você. E esse é o ponto. É sobre aquele pequeno que se mexe aí dentro. É sobre criar uma conexão com o novo, com o seu filho, com a sua nova condição de mãe.