Checklists, Comportamento, Dia a Dia


E quando a adaptação na escola não é tão fácil assim?


A adaptação para uma escola, seja pela primeira vez ou uma troca de escola, sempre gera muita ansiedade, especialmente por parte dos pais. Consequentemente desprendemos tempo e energia para tornar o processo o mais fácil possível. Pesquisamos o melhor jeito de conversar com a criança, lemos dicas, conversamos com os professores e com outros pais…

Nós mesmas fizemos isso até porque além da introdução dos nossos pequenos na vida escolar, nós duas também já tivemos que trocar eles de escola, ou seja, passamos por mais de uma adaptação. Pesquisamos sempre muito antes e conversamos com muita gente. As dicas, em geral, são sempre as mesmas e podemos achar elas em vários blogs e sites por aí.

Mas, e quando “acaba” o processo de adaptação, as outras crianças estão bem, os outros pais foram embora, você ja fez todas as dicas e ainda sente que seu filho não está ficando bem? Sabemos que cada um é cada um e alguns tem processos mais longos. Mas quanto é normal? Quando o choro é só para você e uma tentativa de protesto e quando você deveria realmente levar ele a sério? Quando você deveria chegar a conclusão que precisa intervir?

Isso aconteceu com a gente. E nesse momento você fica perdida e percebe que você entra em um tópico de pouca discussão na internet (ou seja, nada de dicas!). Resolvemos reunir nesse post o que descobrimos, implementamos e o que realmente ajudou a resolver as dúvidas, angústias e o problema…

  • Leve em consideração a idade e maturidade da criança: As crianças pequenas têm menos recursos emocionais para mudanças, pois tudo que é diferente e acontece longe dos pais as deixam inseguras. As vezes podemos achar que criar uma preparação para o momento pode gerar mais ansiedade, mas é recomendado nunca fazer mudanças sem avisar, conversar, ir visitar o local e conhecer as pessoas que trabalham ali antes. Se já for mais velho (mais do que uns 6 anos) vale a mesma conversa, mas não precisa se envolver a ponto de ir lá antes, por exemplo. Simplesmente mostre que é normal ter aqueles sentimentos (medo, dúvida, insegurança…) e que ele conseguirá superar e ainda gostará tanto ou até mais do que sua antiga escola. Deixe claro que também depende dele querer essa adaptação e, acima de tudo, pode contar os pais para ajudá-lo neste período.
  • Se pergunte se o problema não está em você: Antes de tomar qualquer decisão e até de intervir, pare e reflita se o problema não está em você. Você confia na escola? Você se sente culpada por ter colocado/trocado seu pequeno de escola? Você está confortável e segura? Porque qualquer (mesmo que pequeno e mesmo que você ache que esta sob controle) dúvida ou insegurança nossa vai passar para a criança; ela vai inconscientemente entender que existem motivos para ela ficar preocupada. Se sentir que você ainda tem dúvidas não meça esforços para se sentir segura e tranquila. Esta na dúvida como está sendo lá quando você não está e isso te deixa desconfortável? Vale a pena uma conversa clara e franca com a orientadora e peça para ver seu filho, sem aviso prévio (de longe, sem ele te ver!). Você pode, sim, passar por louca e neurótica, mas isso vai te dar a tranquilidade que você (e seu pequeno) precisam.
  • Tente descobrir o que esta deixando seu filho desconfortável: Você está segura, tranquila e confiante. Mas, seu filho não esta se adaptando mesmo assim? Tente descobrir (com conversas com ele, com as professores, orientadora, outras mães e até quem sabe com pequenos sinais aqui e alí) o que poderia estar gerando no seu pequeno esse desconforto. Se tiver seu palpite, crie um plano de ação em conjunto com a escola. Converse com ele. Exponha o que acha e cheguem a uma conclusão juntos de como ajudar seu pequeno (você em casa e eles lá). Alguns dos pontos mais comuns são:
    • falta de entrosamento com os novos colegas
    • dificuldade de se adaptar-se a novas regras/rotina
    • dificuldade de entender o espaço físico da nova escola
    • não conhecer os professores e funcionários e, consequentemente, não se sentir seguro e amparado
    • (se for uma mudança de escola) saudade da escola anterior, dos colegas, professores e inclusive do espaço físico.
  • Enfrente a situação com naturalidade: Já tomou todas as providências? Então comece a enfrentar a situação com naturalidade. Nada de meias palavras, de evitar o assunto, nada de culpa porque ele está chorando… Aja normalmente. Está tudo bem. Ele apenas está indo para a escola. E ele está indo porque é o melhor para ele. Ele é pequeno, não entende isso. Você não, você sabe. Aja de acordo. Fale sobre isso.
  • Estreite o elo entre escola e casa: É muito importante manter a conversa e o relacionamento entre escola/casa o mais simples, estreito e harmônico possível. Mantenha uma relação direta com os professores e funcionários principalmente nos primeiros meses. Faça questão de mostrar interesse em todas as atividades, ajude nas primeiras tarefas. Peça para saber o que ele anda fazendo, para ele mostrar o que aprendeu. Valorize cada passo. Incentive novas amizades, dentro e fora da escola. Tente chamar os novos amigos para interagir em casa, em um ambiente que ele fique mais seguro.
  • Fique sempre com o radar ligado. Se você sentir que mesmo depois de um tempo e de aplicar todas as dicas seu pequeno ainda está mostrando dificuldades? Vale a pena marcar uma reunião. Se estiver tudo bem, pelo menos isso vai acalmar seu coração de que você esta no caminho certo e fazendo tudo que pode para ajuda-lo nessa fase.

Agora, você então deve estar se perguntando: Quando? Quando fazer tudo isso? Quando intervir? Quando eu sei que não esta tudo bem? A verdade é que não temos uma resposta. Isso porque cada um é cada um. A verdade é que você, mais do que ninguém vai, saber.

Ta, se você está lendo isso, é porque está na dúvida, ou seja, não estamos te ajudando certo? Então, vamos tentar te dar mais algumas dicas mais práticas em relação ao tempo:

  • Demorar algumas semanas para se adaptar é normal: Quanto maior a mudança, mais tempo. Esta começando a escola? Mudou de país? É uma nova lingua? Pode demorar semanas, (não queremos te desanimar), mas até meses…é muita mudança para um pequeno. Ele precisa entender que você vai, mas volta. Esta entendendo que agora ele pode ser alguém sem você. Está criando uma vida que é separada da de vocês. Ou então esta tentando entender uma nova cultura, uma nova lingua. É difícil. Leva tempo. Não queira apressar se ele esta precisando desse tempo. Deixa passar pelo menos 4 semanas. Continua ruim? Converse com a orientadora. Se ela sentir preocupação porque a criança  lá também não esta interagindo, engajando, mostrando interesse e se você sente que ele volta da escola triste e desanimado, aí provavelmente precise de uma intervenção. Agora, ele só chora quando você deixa e busca, mas fica bem assim que você pega ele da escola? Pode ser simplesmente uma maneira de mostrar que ela não está ainda confortável com a mudança. É difícil, mas continue insistindo.
  • A orientadora/professora pode ajudar: Normalmente eles têm uma boa dimensão se é apenas uma criança que esta precisando de mais tempo ou se e uma criança que esta com dificuldades. Converse com ela. Confie no que ela te diz.
  • Se pergunte o que você acha e sente: Você é o maior termômetro de todos. Confie no seu instinto. Confie nos comportamentos que esta vendo do seu filho. Você acha que mesmo em casa a criança esta com comportamento diferente? Você acha que ele começou a ficar mais quieto? Mais agressivo? Mais calado? Se sim, podem ser sinais de alerta. Se ele continua igual, provavelmente, esta tudo bem e dentro do processo.

A verdade é que educar um filho não é uma tarefa fácil. Nós sabemos. Estamos juntos nessa.