Checklists, Dia a Dia


8 motivos porque seu filho pode estar te desobedecendo


Nem sempre os nossos pequenos obedecem. Nem sempre conseguimos prever uma birra. Quando vemos já estamos lá, no meio daquele caos e com vontade de largar a mão. Ficamos simplesmente sem saber o que fazer.

Nós odiamos dar mais peso para a maternidade e para o nosso dia a dia, até porque nós mesmas já nos cobramos muito, mas a verdade é que existem alguns comportamentos nossos que agravam ou geram a desobediência. Alias, nós sabemos que você já sabe disso, mas as vezes simplesmente não conseguimos enxergar o que estamos fazendo errado.

Em uma dessas crises com os nossos pequenos e nos sentindo completamente derrotadas, nós resolvemos nos juntar e listar alguns motivos que poderiam estar reforçando o mal comportamento. Essa lista acabou sendo útil e sempre que precisamos, pegamos ela e re-pensamos aonde estamos errando. Porque ninguém consegue na loucura do dia a dia, se manter completamente “na linha”.

Quem sabe essa lista também possa te ajudar a mudar alguns comportamento e evitar novas birras e desobediências. É o que esperamos.

“Você está dando comandos confusos ou contraditórios”

No calor das emoções, quando estamos cansadas, acabamos pedindo coisas contraditórias ou confusas para os pequenos. Isso normalmente acontece porque nós mesmas não sabemos direito o que queremos. Alias, só queremos que eles parem e/ou fiquem quietos. Então, antes de pedir qualquer coisa, vale dois segundos de reflexão. Sabemos que as vezes é difícil pensar com eles gritando e fazendo bagunça, mas vale o esforço. São dois segundos que podem te ajudar a evitar que a situação escale ainda mais.

Exemplo: “Senta aí e fica quieto” e 5 segundos depois “Você está aí sentado sendo que te falei que tinha que tomar banho?”

“Você esta dando muitas chances” ou “Você não cumpre o que ameaça”

Nós ameaçamos porque achamos (ou queremos achar) que só um aviso vai ajudar. Porque queremos que eles obedeçam sem precisar passar pela briga de realmente seguir com o castigo até o fim. A verdade é que ameaçou, precisa cumprir. E na hora. Sem, “a próxima vez”. Se você avisou uma vez, está avisado. Nada de achar que “a criança não entendeu”, “coitada é pequena”…. Porque senão, eles param de te levar a sério.

Exemplo: “Não joga os brinquedos no chão, senão eu vou tirar eles de você” e 5 minutos depois “eu te avisei que não era para jogar, da próxima vez, eu vou tirar”

“Você não está considerando a capacidade real do que a criança é capaz de executar” 

Tenha certeza que o que você pediu para a criança fazer, que ela consegue fazer. Isso não significa fazer as coisas por ela, mas significa ter certeza que aquilo que esta sendo pedido faz sentido para o que ela é capaz de fazer (tanto fisicamente quanto emocionalmente). Tão simples quanto isso mas as vezes no calor das emoções esquecemos.

Exemplo: Não adianta pedir para uma criança muito pequena que ela execute uma tarefa de coisas porque depois que ela fizer a primeira ela não lembra mais as seguintes “arruma isso, escova o dente, pega o sapato no armário e vem para cá”

“Você está usando o tom errado”

Você gosta quando, mesmo quando você não tem razão, alguém briga com você? Fala alto? Fala em um tom muito imperativo? Aposto que não. Na verdade mesmo estando errada você bem provavelmente vai pegar bode de fazer aquilo só pelo jeito que falaram com você. Criança se sente igual. É difícil muitas vezes, mas o ideal é falar devagar, tom baixo, mas enfática e convicta.

Exemplo: Aquele exemplo típico de pedir para a criança não gritar quando você mesmo esta gritando isso para ela

“Você esta dando comandos que para eles não parece fazer sentido”

Muitas vezes não queremos explicar, queremos simplesmente que eles obedeçam, mas a verdade é que eles precisam entender o porque – até para eles não repetirem no futuro. Dar uma explicação, contar porque é errado, porque não se faz aquilo, sempre acaba ajudando a envolver eles no problema e na solução.

Exemplo: “Não pode fazer isso porque eu falei que não pode”

“Você não esta falando antes de agir”

Tem horas que estouramos. Mais do que estourar, explodimos. E agimos antes mesmo de conversar. Tiramos o brinquedo, colocamos de castigo…e nem tínhamos dado o primeiro alerta e conversado que o que eles estavam fazendo não era legal. Sempre antes de tomar qualquer atitude é legal conversar, explicar e dar um aviso. Até porque você esta dando a eles a chance de entender e mudar o comportamento, sem brigas.

Exemplo “Não quero que faça isso, vai agora para o castigo”

“Você está apenas criticando e não elogiando”

Não adianta nada só ficar “falando mal” de tudo que a criança faz. Ela aprende muito mais por reforço positivo do que negativo. Então, ao invés de criticar quando ela fizer errado, que tal SEMPRE elogiar quando ela fizer certo. Com certeza ela vai, aos poucos, entender. E quem não vai preferir um elogio a uma bronca?

Exemplo: “Que bom que você guardou seus brinquedos hoje e não jogou eles no chão”

“Voce não esta dando tempo para ela se acalmar”

De novo, por estar cansada e as vezes já sem paciência acabamos dando ordens ou pedindo coisas, mas nem damos tempo para eles reagirem ou até se acalmarem. Eles estão aprendendo a lidar com as emoções. Mesmo para nós que, na teoria, já sabemos controlar emoções é dificil e precisamos de um tempo, porque para eles seria diferente?

Exemplo: Pedir para ele se acalmar durante uma crise de birra, mas não se afastar e menos de 1 minuto falar “ainda não se acalmou?”